Blog MX1

Brasileiro de Motocross 2020 consagra novos campeões nas principais categorias

Paulo Alberto (MX1 e Elite MX) e Lucas Dunka (MX2) conquistam títulos inéditos na competição

Crédito: Redação MX1.com.br - Maurício Arruda - Fotos: Tatá Mello, Rodrigo Junior, Doni Castilho e André Froes

Carlos Campano e Paulo Alberto celebram títulos do português nas categorias MX1 e Elite MX

Motocross | 30/11/2020

Encerrando neste domingo (29) o evento de três dias em Apiaí (SP) que decidiu a temporada 2020, o Campeonato Brasileiro de Motocross consagrou novos campeões nas principais categorias: Paulo Alberto na MX1 e Elite MX, e Lucas Dunka na MX2. As corridas da sexta e última etapa na pista da Fepasa foram movimentadas exigindo bastante dos pilotos, tanto que nem mesmo os campeões passaram o fim de semana sem erros. Canaletas traiçoeiras e o ritmo intenso da competição prenderam a respiração do público e das equipes até a bandeirada em cada uma das baterias.

+ Resultados completos das corridas da etapa final

+ Roosevelt Assunção é bicampeão da MX3

+ Brasileiro de Motocross define primeiros campeões de 2020 em dia conturbado

Anthony Rodriguez

A primeira corrida da MX1 definiu que o título ficaria com a equipe Yamaha Monster Energy Geração. O português Paulo Alberto terminou em segundo e seguiu para a corrida final - da Elite MX - em vantagem tendo o espanhol Carlos Campano, seu companheiro de equipe e vencedor da bateria de abertura, como único que ainda podia superá-lo na pontuação.


A corrida final foi vencida pelo venezuelano Anthony Rodriguez, nova aposta da equipe Honda Racing que chegou forte em sua primeira temporada no Brasil após vários anos competindo nos Estados Unidos. A concorrência liderando a bateria da Elite MX não mudou o cenário, pois Campano e Alberto vinham nas posições seguintes e o espanhol esperou na última curva para cruzar a bandeirada ao lado do campeão, celebrando o título. O movimento da dupla acabou alterando as posições, mesmo sendo indiferente para a conquista do título, assim Paulo Alberto fechou em segundo a última bateria conquistando a vitória na etapa e o campeonato nas classes MX1 e Elite MX.

Gustavo Pessoa

Paulo Alberto celebrou os títulos inéditos. "A felicidade é enorme, não tenho nem palavras para descrever o que estou sentindo neste momento. Só tenho a agradecer o trabalho de toda equipe, que esteve sempre muito dedicada para que chegássemos a este resultado, a estes títulos. Agradeço muito também à minha família e toda torcida, e todos que de alguma forma me ajudaram neste ano. Este título era um sonho antigo, e tantas vezes chegamos perto. Agora deu. É campeão! Somos todos campeões".

Pódio Elite MX

Pentacampeão, Carlos Campano teve que se contentar com o vice-campeonato da MX1. "Eu queria muito o sexto título, e na verdade é que estou um pouco triste por ele não ter vindo, mas não posso ficar chateado porque o título ficou em casa, o Paulo Alberto andou muito bem. Eu dei um pouco de azar, ontem (sábado, durante a quinta etapa) estava liderando a prova e acabei tendo um problema mecânico e perdi muitos pontos nessa bateria, ficando um pouco fora da briga. Mas lutei até o fim e conquistei o vice-campeonato na MX1, bem perto do Paulo. Agora vamos comemorar com a equipe e trabalhar ainda mais pro ano que vem, pra trazer mais títulos pra Yamaha."

Paulo Alberto com o número 1

Com a vitória na Elite, Anthony Rodriguez completou a primeira temporada no país como vice-campeão da classe. "Corri com meu coração. O nível do campeonato aqui no Brasil é muito alto, a pista estava bem difícil e eu tive que dar tudo que eu pude no final, já que todos os pilotos estavam em um ritmo forte. Foi muito legal finalizar com vitória, foi um ano difícil, mas saio bem feliz", destacou.

Equipe Honda Racing comemora o título na MX2

Há anos a presença dos estrangeiros puxa bastante o nível do campeonato e, apesar do domínio seguir com eles, o cenário começa a mudar com a nova geração de pilotos brasileiros mostrando tanta velocidade quanto os gringos. Gustavo Pessoa (Pro Tork KTM) teve momentos brilhantes durante muitas provas e terminou os dois campeonatos na quarta posição, assim como Fabio Santos, que concluiu ambos na sexta colocação - atrás do venezuelano Humberto Machito Martin (FK Racing Honda Circuit). Em sua primeira temporada nas 450, o paulista registrou os melhores tempos nos treinos da final e subiu ao pódio da penúltima etapa na segunda posição da MX1. São dois pilotos jovens, com muita carreira pela frente, títulos na base e que certamente seguirão evoluindo para brigar pelas vitórias em breve.

Fred Spagnol (vencedor da 6ª etapa da MX2) e Gabriel Andrigo (campeão da MX2JR)

Por outro lado, bem mais experiente, Jean Ramos também tem potencial para ir além das últimas temporadas, mas tem sofrido com lesões - que inclusive o deixaram de fora das últimas provas - e no momento não parece estar no radar das equipes de fábrica, o que sem dúvida dificulta o seu trabalho. Hector Assunção vive uma fase parecida, com a vantagem de estar dentro de um grande time (Honda Racing) e já ter corrido na decisão, mesmo que ainda longe da melhor forma.

Lucas Dunka, campeão MX2

Na briga pelo título da MX2, Lucas Dunka (Honda Racing) entrou na etapa final em uma situação um pouco mais confortável, com 17 pontos de vantagem sobre o principal rival Pepê Bueno (Yamaha Monster Energy Geração). Precisando da vitória, Pepê fez sua parte na primeira bateria seguido por Fred Spagnol (Pro Tork KTM) e Dunka, diminuindo a diferença para 12 pontos.

Pódio MX2

Na bateria da Elite MX, Dunka partiu para uma prova conservadora e, após o abandono de Pepê por problemas mecânicos, pôde andar com ainda mais tranquilidade na segunda metade da corrida. A vitória ficou com Fred Spagnol que faturou o primeiro lugar também na etapa, considerando a soma das baterias. Atrás de Leo Souza e Leo Cassarotti, Dunka confirmou o título de campeão com a quarta posição da bateria e o terceiro lugar na etapa. Leo Souza foi ao pódio na segunda posição.   

Mariana Balbi, campeã MXF
 
"Foi um final de semana perfeito para mim, estive muito focado para as últimas baterias e conquistei o título com uma boa vantagem na tabela. A vitória na penúltima etapa foi decisiva e pude administrar o resultado na final, já que o objetivo maior era conquistar o campeonato. Esse título é dedicado ao nosso eterno campeão Tunico Maciel, essa taça vai para ele", disse o catarinense, referindo-se ao piloto de rally falecido durante o Sertões 2020.

Garmichael Giehl campeão da MXJR

As corridas de domingo também consagraram campeões Gabriel Andrigo na MX2JR, Mariana Balbi na MXF, Zion Berchtold na 50cc, Garmichael Giehl na MXJR, Bernardo Tibúrcio na 65cc e Caio Lopes na Nacional Pró.

Caio Lopes campeão da Nacional Pró


Zion Berchtold, campeão da 50cc

Vídeos:




Classificação final do Campeonato Brasileiro de Motocross 2020:

Categoria MX1

Brasileiro de Motocross Classificação Final MX1

Categoria MX2

Brasileiro de Motocross Classificação Final MX2

Categoria Elite MX

Brasileiro de Motocross Classificação Final Elite MX

Categoria 65cc

Brasileiro de Motocross Classificação Final 65cc
Categoria MXJR

Brasileiro de Motocross Classificação Final MXJR

Categoria 50cc

Brasileiro de Motocross Classificação Final 50cc
Categoria MXF

Brasileiro de Motocross Classificação Final MXF

Categoria MX2JR

Brasileiro de Motocross Classificação Final MX2JR


Notícias Relacionadas

Blog MX1

ir para o blog